quinta-feira, 10 de julho de 2014

Quinta dos Lagos

Antigo palacete em 1904
A “Quinta dos Lagos”, segunda maior propriedade do concelho de Albergaria-a-Velha, com cerca de 24 hectares murados, surge-nos pela primeira vez noticiada no início do século XIX, altura em que era seu Senhor o Dr. Patrício Luiz Ferreira Tavares Pereira da Silva (1º senhor da Quinta).

Os 2ºs Senhores da Casa foram o Capitão José Luiz Ferreira e sua esposa, D. Henriqueta Augusta, que se tornaram também nos 5ºs senhores da Casa da Fonte, a qual foi vendida a seu parceiro e segundo primo, Alferes Manuel Luz Ferreira Rodrigues, pai de José Luiz Ferreira Rodrigues que veio a ser o 3º Senhor da Quinta.

José Luiz Ferreira Rodrigues (1847-1897), que tornou-se um capitalista bastante abastado, ao fundar com seu pai, a Ferreira & Companhia, que forneceu madeiras para vários caminhos de ferro de Portugal e de Espanha e para algumas minas de Inglaterra, construiu na sua “quinta dos Lagos” um magnífico palacete, sobre uma casa mais modesta que aí existia, vindo mais tarde a receber do Rei D. Carlos o título de Visconde dos Lagos, por decreto de 4 de Abril de 1891.

Em Agosto de 1924, um grande incêndio destruiu parte do magnífico palacete da “Quinta dos Lagos”, considerada então como uma das mais luxuosas residências do concelho, sendo de seguida recuperado.


Por esta época, a quinta era composta por terras lavradias, vinhas, pomares de laranjeiras e outros frutos, moinhos de cereais e de azeite.

Em 1942, os herdeiros do Dr. Manuel Luiz Ferreira Tavares Pereira da Silva venderam a casa a António Pinto dos Santos, natural do Porto.


Segundo os registos oficiais, a “Quinta dos Lagos” foi vendida em 1915, pela empresa Ferreira e Companhia ao Dr. Vicente Carlos de Sousa, nascido em Alquerubim, que vendeu a quinta a António Pinto dos Santos.

Em 29 de Dezembro de 1944, pelas 4h30 da manhã, um incêndio destruiu por completo o palacete dos Lagos, ficando desde então em ruínas. Alguns anos mais tarde, a “Quinta dos Lagos” foi vendida a Francisco de Sousa Magalhães, natural do Porto, que deixou uma quinta a cada um dos seus onze filhos.


O antigo palacete foi demolido em 1976, sendo posteriormente vendida a quinta à família italiana Beltrami.

Mário Beltrami, empresário e gerente da Portinco (marca Imco), recuperou completamente a quinta, dinamizando-a com explorações agrícolas e criação de gado, transformando os antigos celeiros na casa de habitação onde residiu.

A sociedade “Quinta dos Lagos – Sociedade Agro-Pecuária, Lda”, constituída em 1981, encerrou a sua actividade em 2009.

Fonte: Dellfim Bismarck Ferreira em Jornal de Albergaria de 25-01-1996 (série de artigos “Casas antigas de Albergaria”) (adaptado)

Imagens: Dr. Delfim Bismarck / Forum Landmania

Sem comentários: